Pesquisar

BXB TV – Orgulho Banheirense

A BXBTV é um canal de distribuição de conteúdos online direcionado para a Baixa da Banheira e Vale da Amoreira podendo contundo vir a disponibilizar outros conteudos.

Câmara da Moita aprova Protocolo no âmbito do Apoio às Vítimas de Violência Doméstica

Câmara Municipal da Moita(1)

A Câmara Municipal da Moita, na sua última reunião, realizada no dia 14 de novembro, aprovou, entre outras, as propostas relativas ao Protocolo para a Territorialização da Red

e Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica e aos contratos-programa 2018 com Associações e Instituições Sociais do concelho.

 

O Protocolo para a Territorialização da Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica, aprovado por unanimidade, visa dotar o concelho de uma resposta integrada em matéria de prevenção e proteção a pessoas em situação de vulnerabilidade no âmbito da violência doméstica, bem como investir na realização do Plano Municipal para a Igualdade e Não Discriminação que permita um diagnóstico e reflexão participados sobre esta temática no território do Município.

Este protocolo insere-se no âmbito da Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não Discriminação 2018-2030 – Portugal + Igual (ENIND) e será assinado entre o Município da Moita, a Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade e outras entidades com intervenção nesta área e no território.

Foi aprovada por unanimidade, na mesma reunião, a celebração de contratos-programa entre o Município da Moita e as associações Clube União Banheirense “O Chinquilho”, Ginásio Atlético Clube (1ª revisão) e Rugby Vila da Moita (1ª revisão), num total de comparticipações financeiras de 4 980 euros, com vista a apoiar estas associações culturais e desportivas.

 

Foi também aprovada, por unanimidade, a celebração de contratos-programa de desenvolvimento social entre o Município e as seguintes entidades: Fundação Santa Rafaela Maria, Persona – Associação para a Promoção e Saúde Mental, Associação Cais Terapias e Centro Social Bom Samaritano, no valor total de 2 850 euros.

Anúncios

Festa de Sofware Livre Moita 2018

Após contactos que têm vindo a ser estabelecidos entre as partes, e no sentido de divulgação do que vai acontecendo no concelho da Moita, informamos que a BxB TV alia-se, como MEDIA PARTNER à Festa do software Livre Moita 2018, procedendo á divulgação através dos seus canais deste acontecimento.

” A primeira Festa do Software Livre da Moita decorreu nas instalações da extinta Universidade Independente, no Palheirão, em 2004, co-organizada pela Humaneasy Consulting e pela ANSOL – Associação Nacional para o Software Livre, e contou com o apoio do Município da Moita e de várias entidades e comunidades ligadas ao Software Livre.

Esta segunda edição da Festa do Software Livre, organizada pelos mesmos e pelo Munícipio da Moita, é um espaço para instalação gratuita de software nos computadores dos visitantes e incluirá um programa de palestras, demonstrações, workshops, informação, hackatons, animação com música ao vivo e outras atracções. Durante o evento, a Comunidade Ubuntu Portugal organiza a primeira UbuCon de Portugal e temos a presença da Wikimedia, Drupal Portugal, D3, RepRap, Linux Tech, entre outros.

A FESTA É DE ENTRADA LIVRE E GRATUITA.”
https://moita2018.softwarelivre.eu/

 

Entrevista ao Sr. Vereador Joaquim Inácio Raminhos

Pelouros: Rede de Balcões do Munícipe.

Blues Night: com Jawbone (UK) & Them Sacks’a Potatoes (PT)

Na Baixa da Banheira

Blues Night: com Jawbone (UK) & Them Sacks’a Potatoes (PT)

O 10 novembro blues nightAuditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo recebe, a 10 de novembro, pelas 21:30h, mais uma Blues Night By BBBF, com Jawbone (UK) & Them Sacks’a Potatoes (PT).

Jawbone (UK). Paddy Milner é reconhecido como um dos grandes pianistas de blues da atualidade. Desde cedo, começou a tocar no circuito local fazendo do blues e do boogie a sua linguagem, mas explorando também o jazz, o folk e a música clássica. Tocou com o lendário Jonnie Johnson e aprendeu com John Cleary, em New Orleans. O seu álbum de estreia, “21st Century Boogie”, rapidamente recolheu o reconhecimento no mundo do Blues.

Desde a primeira nota de “Black Dog”, dos Led Zeppelin, que Marcus Bonfanti, de dezasseis anos, sabia que queria ser guitarrista. Cresceu no norte de Londres, tocando e bebendo a influência de diversos artistas. O seu álbum de estreia de 2008, “Hard Times”, confirmou todo o seu potencial e deixou pistas de uma nova voz que merecia ser escutada. “What Good Am I to You” (2010) foi incluído nos 50 melhores álbuns da revista Classic Rock de 2010. Conquistou o prémio de melhor compositor, nos “British Blues Awards”, em 2012, onde conta com várias nomeações. Recentemente, integrou também a mítica Banda Ten Years After.

Além de Paddy Milner e Marcus Bonfanti, a banda é também composta por Rex Horan & Evan Jenkins. Ainda a gravar o primeiro álbum, Jawbone atua nesta Blues Night, em estreia absoluta em Portugal.

Them Sacs’a Potatoes (PT). O novo projeto nacional que todos comentam, Them Sacks’a Potatoes é uma união de músicos de diferentes projetos musicais que se encontram na casa espiritual de todos, o blues, com o intuito de recriar as raízes da música-mãe, das músicas populares (e não só) do século XX. Sara Badalo (Sam Alone & the Gravediggers, Storm & the Sun), Gito Lima (The Soaked Lamb), Miguel Lima (The Soaked Lamb), o incontornável e “nosso” Fast Eddie Nelson, João Oliveira (Blues Fever Band, Guillande) e Selmer Rodrigues (The Jukeboxers) são Them Sack’s A Potatoes. Apresentaram-se no último Blues Picnic e agora visitam o auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.

Para M/6 anos

Bilhetes: 8 euros (disponíveis nos postos de venda e parceiros da rede Ticketline, online em www.ticketline.pt e no próprio dia, no local do concerto, a partir das 20:00h)

Org: Associação BB Blues Portugal, em parceria com a Câmara Municipal e a União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira

Projeto de Pequenino “Eu Brinco” na Biblioteca da Moita

O TeaEu Brinco Imagem DRtro do Biombo apresenta, no dia 3 de novembro, pelas 17:00h, na Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça, na Moita, a performance de dança e teatro para e com bebés “Eu Brinco”.

Esta atividade, com duração de 30 a 40 minutos, é dirigida a bebés dos 4 aos 36 meses (lotação: 15 bebés e um acompanhante) e tem entrada gratuita, mediante reserva antecipada através do T: 210817040.

 Sinopse

Um espetáculo onde situações do quotidiano ganham magia, através da dança e do teatro.  Um encadear de situações comuns, num percurso onde os bebés escolhem o que querem ver e onde querem estar. Neste espetáculo, onde os participantes são parte essencial para o desenrolar da ação, pretendemos “dar voz” aos bebés, enquanto criadores e participantes da experiência artística.

 Ficha artística

Criação e encenação: Joana Capucho, Gonçalo Lima, Pedro Paz e Carla Cunha; Interpretação: Gonçalo Lima e Pedro Paz; Acompanhamento pedagógico: Miguel Mata Pereira; Produção: Teatro do Biombo.

Exposição de Pintura “A Violência Contra as Mulheres”

2 a 30 de novembro, na Biblioteca Municipal do Vale da Amoreira

Exposição pintura Violência contra as Mulheres

 

A Biblioteca Municipal do Vale da Amoreira recebe, de 2 a 30 de novembro, a Exposição de Pintura “A Violência Contra as Mulheres”, de Gabriela Santos. A abertura da mostra, prevista para as 21:00h, conta com a presença de Celisa Carvalho que integrou o projeto da OGA de luta contra a Mutilação Genital Feminina, em 2015 (Financiado pela Gulbenkian).

 

Gabriela Santos nasceu a 8 de dezembro de 1949, em Leiria. Com cerca de 4 anos, foi viver no Montijo, onde fez a instrução primária, mudando-se depois definitivamente para o Barreiro. Aí fez a escola secundária, onde teve o primeiro contacto com o movimento antifascista, frequentando, entre outros, a Académica e o Cineclube. Continuou os seus estudos em Lisboa, no Instituto Industrial, tendo participado ativamente no movimento estudantil dos anos 60, através da Associação de Estudantes. No ano de 2015, passava repetidamente junto a uma casa que anunciava cursos de desenho e pintura. Sem quaisquer perspetivas e nunca tendo pintado ou desenhado de forma consistente, resolveu tentar, por considerar que lhe poderia ser terapêutico, devido ao seu passado. E foi assim que, aos 66 anos, se viu a pintar, tendo frequentado o curso de Desenho e Pintura da CACAV, em Alhos Vedros. De janeiro até à presente data, já pintou cerca de 50 quadros e realizou a sua primeira exposição em abril de 2016, na Junta de Freguesia da Baixa da Banheira.

Celisa Carvalho tem 44 anos, nasceu em Bafatá na Guiné-Bissau. Veio para Portugal em 1998, devido ao conflito armado na Guiné, e vive no Barreiro desde 2000.É licenciada em Serviço Social em 2008, e Mestre em Ciência Política desde 2014.Ativista dos direitos humanos, integrou projeto da OGA de luta contra a Mutilação Genital Feminina em 2015 (Financiado pela Gulbenkian), área na qual é pós-graduada desde 2017. É uma das fundadoras da AIGAST, projeto que mais tarde abandonou. Desenvolve atividades no Vale da Amoreira desde 2006.

Trabalha atualmente como técnica superior de serviço social na equipa de protocolo do RSI do CRIVA, equipa da qual faz parte desde 2009.

Presidente da Câmara da Moita entrega Prémio Joaquim Pessoa a Amadeu Baptista

“A poesia é uma expressão de Liberdade”

“Poemas de Leonardo”, de Amadeu Baptista, é a obra vencedora da segunda edição do Prémio de Poesia Joaquim Pessoa, no valor de 5 000 euros, entregue no dia 27 de outubro, na Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça. “A poesia é uma expressão de liberdade; o ato criativo é um ato de criação de liberdade”, referiu o Presidente da Câmara da Moita, Rui Garcia, nesta iniciativa que contou com sala cheia.

Além do Presidente da Câmara da Moita, participaram na cerimónia de entrega do Prémio, Teresa Adão, das Edições Esgotadas, Annabela Rita, presidente do júri, Amadeu Baptista, vencedor, e o poeta Joaquim Pessoa.

A iniciativa teve início com a leitura de poemas de Joaquim Pessoa, por Zélia Filipe, tais como “Nos Teus Gestos” e “Não há um Nome para a Tua Ausência”.

“A cultura é uma linha de combate ao obscurantismo, ao fascismo”

Rui Garcia referiu que o Prémio Joaquim Pessoa, promovido pela Câmara Municipal da Moita, em parceria com a Editora Edições Esgotadas, tem como objetivo “prestar homenagem a uma das grandes personalidades da poesia e da literatura portuguesa, com uma forte ligação ao concelho da Moita – Joaquim Pessoa. É justa a homenagem que o Município lhe presta”. Outro dos objetivos deste Prémio, segundo referiu o autarca, é a promoção da cultura, da criação e da literacia. “Face a um mundo que não está a encontrar caminhos muito propícios à cultura”, Rui Garcia considera que esta é “uma linha de combate ao obscurantismo, ao fascismo”.

“A poesia é uma expressão de liberdade; o ato criativo é um ato de criação de liberdade”, referiu ainda o autarca, dando os parabéns ao vencedor e agradecendo a Joaquim Pessoa, à editora e aos membros do júri “o trabalho feito com seriedade e dedicação”.

Teresa Adão, da Editora Edições Esgotadas, referiu que a “Câmara da Moita está de parabéns por ter abraçado esta iniciativa que, na segunda edição, está já com êxito e tem suscitado interesse a nível nacional”. Enalteceu o trabalho voluntário do júri e a escolha da obra, referindo que Amadeu Baptista já recebeu anteriormente vários prémios. “A poesia está de parabéns”, salientou.

Annabela Rita destacou o facto de o júri ser constituído por um painel “impressionante de representação académica e institucional”. O Júri desta edição, que decidiu por unanimidade a atribuição do Prémio a “Poemas de Leonardo”, foi constituído por Annabela Rita (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), Luísa Antunes Paolinelli (Universidade da Madeira), Dionísio Vila Maior (Universidade Aberta), Ana Maria Oliveira (Universidade Católica / representante da editora Edições Esgotadas) e José Beiramar (professor / representante da Câmara Municipal da Moita).

A presidente do júri apresentou a obra premiada, que faz o leitor olhar para um “espelho” – a pintura de Leonardo Da Vinci –, e o conduz através de um itinerário de interrogação, entre a vida e a morte.

“A poesia não é amparo contra a desolação”

Amadeu Baptista afirmou-se grato pelo Prémio Joaquim Pessoa e criticou a falta de apoio do Estado Português “aos artistas portugueses em todas as suas frentes”.

“A poesia não é amparo contra a desolação. Como poeta, estou sempre cheio e sempre vazio e, quanto maior é o confronto com o poema, mais o vazio se expande e é maior a desolação. Olho para trás e sei que sempre escrevi sobre o vazio, não apenas para o ultrapassar, mas para subentender alguma comoção no que vejo à minha volta”, afirmou Amadeu Baptista.

O poeta lembrou que “um poema contém sempre uma pequena parte da biografia do que fomos e somos e expressa a falibilidade da nossa fraqueza, a frágil delicadeza com que os fios da teia se vão tecendo poderosamente em volta da nossa cabeça e do nosso coração”, acrescentando: “Se algum leitor puder identificar-se num verso que seja do que ficou escrito, já rejubilarei por a coincidência ter resultado”.

Amadeu Baptista nasceu no Porto em 1953. O seu primeiro livro, “As Passagens Secretas”, data de 1982, tendo publicado, entretanto, mais de trinta títulos de poesia e recebido diversas distinções.

O poeta Joaquim Pessoa, patrono do Prémio, referiu que estas iniciativas “ajudam a chegar aos autores, a que os autores cheguem aos leitores e a que se fale de poesia”. “Só acredito num prémio quando a obra está sujeita a uma análise dentro do anonimato dos concorrentes”, como é o caso do Prémio de Poesia Joaquim Pessoa. Concordando com o premiado relativamente à “difícil situação dos poetas em Portugal”, o poeta recordou que Portugal “tem menos de 1% no orçamento para a Cultura”. “Resistimos muitas vezes através da arte”, concluiu, incentivando os artistas a nunca desistir: “Talvez um dia desista, mas não hoje”.

A iniciativa terminou com um recital por Carlos Mendes ao piano que cantou textos de Joaquim Pessoa. “Amor combate”, “Ruas da minha Cidade”, “Amélia dos Olhos Doces” (“o sucesso que nos persegue toda a vida”, como referiu Carlos Mendes), foram algumas das músicas cantadas.

Recorde-se que o Prémio de Poesia Joaquim Pessoa foi criado, em 2015, pela Câmara Municipal da Moita, em parceria com a Editora Edições Esgotadas, no âmbito das comemorações dos 40 anos de atividade literária do poeta. Destina-se a galardoar, bienalmente, uma obra de poesia escrita em língua portuguesa. O valor do Prémio é de 5 000 euros, atribuído pela Câmara da Moita, cabendo à Editora Edições Esgotadas a publicação da obra vencedora.

Sessão solene do 80º. Aniversário do ginásio Atlético Clube 30/06/2018

Inauguração dos Painéis Fotovoltaicos.

O Chinquilho” 3 de Março de 2018, inauguração dos Painéis Fotovoltaicos.
O Chinquilho foi a primeira colectividade da Baixa da Banheira a investir num sistema energético fotovoltaico que lhe garante uma produção de cerca de 30% do seu consumo.

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: